24 de julho de 2020

Item praticamente obrigatório no café da manhã e nos lanches durante o dia, os biscoitos foram responsáveis por gerar uma receita de R$ 18,7 bilhões em 2019, segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos. O faturamento do setor havia registrado uma leve queda em 2018, mas voltou a crescer no ano passado e superou o patamar de 2017, vendendo quase 1,5 milhão de toneladas do produto. Só o segmento de cookies, considerado premium na categoria por possuir alto valor agregado, vendeu 43 mil toneladas ao longo de 2019. Contudo, no segmento saudável, os biscoitos registraram uma queda de 13% nas vendas, segundo dados da Nielsen Brasil, empresa especializada na análise de comportamento dos consumidores.

Líder isolada, com domínio de aproximadamente 30% do mercado nacional, a Jasmine Alimentos investe no segmento desde 2003, com produtos saudáveis nas categorias integral, orgânico, zero açúcar e sem glúten. Na contramão do mercado, no período da pandemia do novo coronavírus, a marca registrou crescimento de 10% nas vendas de biscoitos saudáveis em relação ao ano anterior, entre mais de 20 opções de sabores e diferentes formatos, com cookies tradicionais, mini cookies, gran cookies e rosquinhas. A empresa cresceu mais de 5 pontos em participação de mercado no primeiro semestre de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019.

“O que tem garantido a posição de destaque da Jasmine neste mercado é a inovação e a atenção ao que deseja o consumidor. Portanto, neste segundo semestre, a marca dará mais um passo importante, com lançamentos previstos para o público infantil, atendendo uma demanda de pais e responsáveis que querem opções de cookies saudáveis na lancheira dos pequenos. Em breve, vamos lançar novos mini cookies doces e biscoitos salgados com este objetivo”, afirma o diretor de inovação e transformação da Jasmine, Rodolfo Tornesi Lourenço.

Segundo a Nielsen Brasil, os latino-americanos mudaram drasticamente seus hábitos de compra em meio à pandemia. Os dados apontam maior procura por produtos básicos para cozinhar em casa, além de alimentos práticos para o dia a dia, como biscoitos e snacks de frutas, que tiveram aumento de 11% na categoria industrializados.

Fonte: Central Press