16 de junho de 2021

O programa de rotulagem ambiental da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) já teve a adesão de 1847 produtos desde que foi lançado há 25 anos. “O Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, lembra que todos somos responsáveis pelo futuro do nosso planeta. Comprar produtos mais alinhados com preservação ambiental nem sempre é uma tarefa fácil e o rótulo ecológico ajuda os consumidores a realizarem esta escolha mais consciente”, reforça Mario Willian Esper, presidente da ABNT.

Através do Rótulo Ecológico os consumidores conseguem visualizar qual produto tem menor impacto ambiental dentre as opções disponíveis nas prateleiras. A empresa também consegue mostrar ao mercado que está preocupada com as próximas gerações promovendo a preservação do meio ambiente em seus processos.

A certificação é voluntária e é concedida pela ABNT Certificadora, entidade de terceira parte, assegurando a imparcialidade e atestando a credibilidade do rótulo que é colocado nos produtos ou serviços.

Na América do Sul, a ABNT é o único membro pleno do Global Ecolabelling Network (GEN), uma entidade mundial sem fins lucrativos que representa as maiores instituições de rotulagem ambiental do mundo. “É um diferencial importante porque possibilita a troca de informações entre organismos do mundo todo, estimulando o desenvolvimento dos programas. A troca de conhecimento com outros países mais evoluídos nos permite trazer para o Brasil um programa com nível de país desenvolvido”, acrescenta o presidente da entidade.

As normas que norteiam a certificação (ABNT NBR ISO 14020 e ABNT NBR 14024) são de princípios e diretrizes e não estabelecem critérios a serem utilizados nas auditorias, mas sim as diretrizes e procedimentos para desenvolvimento do programa. Ambas as normas dão orientações para que o organismo certificador elabore os próprios critérios. Isto porque cada classe de produtos tem impactos ambientais diferentes, exigindo a elaboração de critérios e procedimentos específicos para cada categoria de produto (químico, têxtil, produtos de papel, automotivo, produto de limpeza etc).

Mario lembra que as empresas devem cuidar para não transferir o impacto de uma etapa para a outra. “Por exemplo, um produto químico para concreto que não utilize água em sua etapa de fabricação não pode exigir que o consumidor faça uma adição significativa de água para seu uso porque, desta forma, ele estaria compensando a não utilização de água na fabricação para a adição de água na utilização do produto. Portanto, tomamos bastante este cuidado ao criar os critérios de certificação. Não podemos certificar um produto que vai se vender como ecologicamente correto, mas vai exigir que o consumidor faça uso inadequado de algum aspecto ambiental”, explica.

“Além disso, todos os produtos que recebem a rotulagem passam por um ensaio de prova, que ateste o aspecto ambiental necessário para aprovação daquele produto. A coleta de amostra neste programa não tem o foco de atestar a funcionalidade do produto, mas sim o atendimento ao critério de desempenho relacionado aos aspectos ambientais”, finaliza Mario.

O Rótulo Ecológico emitido pela ABNT, seguindo a classificação da NBR ISO 14024 se enquadra nos Programas de Selo Verde, ou seja, são rótulos multicriteriosos, certificados por uma entidade de terceira parte, que estabelece os critérios e os verifica conforme procedimentos definidos. Seu propósito é identificar quais são os aspectos ambientais mais significativos em cada etapa do processo do ciclo de vida daquele produto específico (extração de recursos, fabricação, transporte, utilização do produto, fim de uso de vida, descarte etc). A partir deste estudo, a ABNT elabora critérios visando à excelência ambiental para a promoção e melhoria dos produtos e processos, permitindo que a empresa certificada consiga demonstrar para o mercado que tem um desempenho ambiental melhor do que seus similares. “Nosso objetivo é conseguir identificar os principais aspectos do processo e colocar metas para que o cliente consiga estar sempre melhor e a frente da meta normal existente no mercado”, comenta Mario William Esper, presidente da ABNT.

“A certificação garante maior visibilidade e diferenciação da empresa no mercado, aumento das possibilidades de exportação para mercados mais exigentes, promove a redução de desperdícios e otimização dos processos, além do enquadramento nas exigências de Licitações Sustentáveis”, reforça Mario.

Os critérios que um produto deve atender para obter o Rótulo Ecológico da ABNT estão disponíveis no site do programa (www.abntonline.com.br/sustentabilidade), e são abertos a consulta pública no momento da sua elaboração e revisão, demonstrando a transparência e a credibilidade do processo.
Fonte: Approach Comunicação