11 de junho de 2018

As metas da SIG para reduzir as emissões de gases de efeito estufa foram aprovadas  pela iniciativa Science Based Targets (SBTi). Isto confirma que a estratégia da empresa  está alinhada às ações necessárias para evitar o aquecimento global.

 

A SIG faz parte de um grupo de elite – atualmente 100 empresas em todo o mundo – que  tem metas aprovadas pela SBTi, uma parceria entre CDP, o Global Compact das Nações  Unidas, Instituto World Resources (WRI) e World Wide Fund for Nature (WWF).

 

A mudança climática é um dos maiores desafios mundiais e há uma mobilização no

sentido de manter o aquecimento global abaixo dos 2oC dos níveis pré-industriais – ponto  que os especialistas acreditam ter os piores efeitos. A SBTi objetiva ajudar as empresas a  determinarem quanto elas podem reduzir as emissões de gases de efeito estufa e suportar as metas do Acordo de Paris.

 

 

Segundo Alexander Liedke, Gerente de Negócios de Sustentabilidade & Mercados da WWF na Alemanha e membro do Comitê de Cireção da iniciativa Science Based Targets: “Ao estabelecer uma meta com base científica, a SIG está dando um passo importante na transição para uma economia de baixo carbono e fazendo sua parte para barrar as mudanças climáticas. Como uma empresa de embalagem, ela tem um papel importante na cadeia global de suprimentos e pode ajudar seus clientes com metas próprias para reduzir a pegada de carbono – algo que os brand onwers já estão priorizando. Parabenizamos à SIG por ser uma empresa líder em sustentabilidade em seu setor. ”

 

Objetivando reduções ambiciosas

A SIG se comprometeu a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 50% até 2030 (escopo 1) e em 60% até 2040 (escopo 2), tendo como base 2016. Isto inclui emissões diretas de suas operações (escopo 1) e emissões indiretas da geração de energia comprada (escopo 2).

A empresa também se comprometeu a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 25%, por litro envasado, até 2030 com base em 2016 (incluindo escopos 1 e 2, bem como as emissões do escopo 3, vindas de bens e serviços comprados, uso de produtos vendidos e tratamento no final da linha).

 

A SIG escolheu o comparativo ‘por litro de alimento embalado’ para criar uma métrica da cadeia de valor, ao invés de se basear no número de embalagens produzidas. Desta forma, a empresa reflete melhor seu propósito corporativo de levar alimentos para os consumidores em todo o mundo com segurança, sustentabilidade e valor justo – independentemente do tamanho da embalagem ou do faturamento da empresa.

 

Rolf Stangl, CEO da SIG, afirma: “Reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa é o cerne de nosso compromisso de cortar pela metade os impactos ambientais na cadeia de valor e seguir a estratégia Way Beyond Good. Receber a validação de nossas metas pela iniciativa Science Based Targets confirma que estamos na rota certa para suportar ações globais que reduzam as mudanças climáticas. Temos um roadmap para nos ajudar a chegar lá e estou confiante que atingiremos estas metas a partir do engajamento com fornecedores e aplicando nosso forte conhecimento em engenharia. Isto não ajudará apenas a proteger o planeta, mas também abrirá novas possibilidades e permitirá que continuemos entregando o que os nossos clientes precisão. ”

 

 

Medindo a pegada da SIG na cadeia de valor

A partir de sua experiência com Análise de Ciclo de Vida, a SIG desenvolveu um inventário de pegada de carbono que segue os padrões Greenhouse Gas Protocol’s Corporate e o Value Chain Accounting and Reporting Standards.

 

Uma primeira estimativa das emissões de gases de efeito estufa na cadeia de valor foi publicada no Relatório de Responsabilidade Corporativa da empresa em 2016. Desde então, a SIG refinou este inventário e recalculou o do ano base. A empresa também tem explorado oportunidades potenciais para reduzir as emissões, a partir de uma revisão de suas próprias atividades e do diálogo com fornecedores chave. A proposta é desenvolver metas de redução que sejam ambiciosas, mas factíveis.

 

Jonas Harth, cientista do Institut für Energie und Umweltforschung (IFEU/Instituto de Energia e Pesquisa Ambiental), explica: “Trabalhamos com o time da SIG há vários anos para desenvolver metodologias robustas que acessem os impactos ambientais dos produtos dentro dos padrões reconhecidos. A SIG adotou o mesmo rigor que teve em relação à pegada de carbono em toda a cadeia de valor e estabeleceu metas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. ”

 

As métricas que acompanham as metas de redução da emissão de gases de efeito estufa da SIG estão inseridas em seus indicadores de desempenho, dentro da estratégia Way Beyond Good. O desempenho será reportado anualmente no Relatório de Responsabilidade Corporativa da empresa, juntamente com outras métricas que suportam o compromisso da SIG com a estratégia Way Beyond Good de contribuir mais com a sociedade e com o meio ambiente do que recebe deles.

 

Fonte: LDB Comunicação