10 de dezembro de 2018

Em apenas uma semana, os estudantes do Ensino Fundamental do Colégio Marista Ribeirão Preto recolheram cerca de 100 quilos de lixo reciclável de pátios, praças de alimentação e corredores da escola, o que levou os jovens a pensarem em uma solução para dar o destino correto ao material coletado.
A partir dessa ação surgiu o Reciclasse, projeto de intervenção social do Colégio que tem como objetivo sensibilizar a comunidade escolar sobre a importância da redução da produção do lixo para a construção de um planeta sustentável. A ideia ultrapassou os portões da instituição e tem transformado a vida dos estudantes na cidade de Ribeirão Preto.
Coordenado pela professora Thaís Pileggi, o Reciclasse surgiu de uma ação desenvolvida com as turmas do 6° e do 9° anos do Ensino Fundamental, que, depois de recolherem o lixo da escola, separaram o material em dois sacos identificados como “Lixo Reciclável” e “Lixo Orgânico”, pesaram e classificaram os itens, descrevendo tudo em uma planilha.
A ação garantiu a continuidade e ampliação do projeto, que passou a destinar o material reciclável a catadores do município. “Foi uma forma de ajudar quem vive da reciclagem, quem muitas vezes tem que sustentar a família com a renda do reaproveitamento desse material”, disse a professora Thaís.
E para reforçar a marca, em uma ação conjunta com a Pastoral Jovem Marista, os alunos do 7º ano fizeram uma campanha para criar um copo ecologicamente correto que pudesse ser usado pelos estudantes, com o objetivo de diminuir o uso de descartáveis na escola. No copo, foi estampado o logotipo do projeto criado pelos alunos.
Toda essa experiência foi compartilhada no 1º Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão em Saúde do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos (HU-UFSCar), no mês passado, e virou modelo na cidade. “Compartilhei essa ação na qual utilizamos a metodologia ativa em educação, aprendizagem baseada em Projeto (PBL do inglês Project based learning), e teve êxito na educação básica”, explica Thaís.
Ela acrescenta ainda que é importante discutir como essas práticas que já são obrigatórias nos cursos de graduação podem ser usadas com sucesso na educação básica. Hoje o uso de metodologias ativas no processo de ensino-aprendizagem ajuda a tornar o estudante mais autônomo e protagonista do seu aprendizado. E o professor passa a ser um facilitador e não mais fonte do saber”, ressalta.
O Reciclasse faz parte do Projeto de Intervenção Social (PIS), realizado entre os alunos maristas com propostas de aprendizagem que potencializam vivências significativas em grupo e buscam transformar realidades. Os estudantes aprendem a analisar situações e buscar soluções para os problemas sociais encontrados. Os projetos se transformam em ações, que são compartilhadas entre os alunos, em sala de aula, em casa ou até mesmo na comunidade em que vivem.

Fonte: Página 1 Comunicação