21 de outubro de 2020

A Organis, entidade de promoção dos orgânicos, fez uma enquete sobre o consumo de orgânicos na pandemia e constatou que aumentou em 44,5% o consumo de orgânicos nesses sete meses de restrições sociais para conter a pandemia da Covid-19.
Mais da metade dos 456 entrevistados estão mais preocupados com a qualidade da alimentação (62,1%) com aumento na frequência de consumo: 46,6% afirmam consumir orgânicos todos os dias e 34,3% duas vezes por semana. Os produtos in natura representam 38,6% da preferência, mas é expressivo o percentual de pessoas que consomem também natural e industrializados – 50,9%. Na enquete, em repostas múltiplas, percebe-se que o consumidor de orgânicos compra onde tem oferta física e digital: 50,9% compram em supermercados, 46,5% em feiras, 34,6% em lojas especializadas e 19,1% nos onlines.
“Foram só sete perguntas, nos canais de contato da Organis (pop-up, instagram, email). São pessoas que já têm orgânico no radar. Interessante destacar que o consumo aumentou, o consumidor permanece preferindo FLV, mas já aderiu ao industrializado e os ecommerces aparecem nos canais de venda, quase 20%. Assim como nas feiras de orgânicas, os ‘on lines’ vendem muito produtos de mercearia e de marcas, sendo uma opção completa para o consumidor. Outro ponto importante é que o aumento de preços foi sentido por mais da metade dos entrevistados (56,6%), mas não inibiu o consumo. Quando perguntamos se agricultura orgânica pode ajudar a prevenir nova pandemia, 81,8% afirmam que sim. Orgânico está relacionado com saúde”, explica Clauber Cobi Cruz, diretor da Organis.
Para ajudar consumidores, produtores e serviços do setor, a entidade lança o onde.organic, um ambiente virtual onde todos se acham. Uma ferramenta de negócios e um mapeamento da produção orgânica, com georreferenciamento e filtro de produtos que ajudará toda cadeia de orgânicos: produtor encontra insumos e serviços, a indústria e o varejo acharão fornecedores, os consumidores vão encontrar onde tem produtos.
“O serviço é por adesão. Por R$ 29,00 por mês, o interessado em achar e ser achado, vai ter um ambiente digital moderno e convergente aos interesses do setor. onde.organic é dividido em seis categorias: Raiz Orgânica (campo), Produtos (indústria), Lojas (mercados e restaurantes), Serviços (consultoria e certificação), Receba em Casa (delivery e on line) e Insumos (aprovados pela agricultura orgânica). Queremos em um ano ter mais de 2.000 inscritos”, explica Clauber Cobi Cruz.
A enquete completa estará disponível no site www.organis.org.br a partir de hoje (21 de outubro), e a adesão para onde.organic deverá ser pelo https://onde.organic/
Fonte: Vera Moreira Assessoria de Imprensa