11 de outubro de 2017

A 2ª edição do Verallia Design Awards foi um enorme sucesso. Dezenas de estudantes e recém-formados em design de todo o Brasil inscreveram seus projetos para serem avaliados por um júri de altíssima qualidade, formado por profissionais reconhecidos por sua importância nos mercados e áreas relacionadas às categorias do concurso: Azeites, Bebidas Não Alcoólicas, Cervejas, Destilados/Alcoólicos, Espumantes e Sidras, Potes, Vinhos.

O grande vencedor da premiação organizada pela Verallia – multinacional fabricante de garrafas e embalagens de vidro para alimentos e bebidas foi Pedro Paulo de Carvalho. Estudante da Universidade Estadual Paulista (Unesp), ele desenvolveu a inovadora garrafa “Oliva”. O principal destaque dessa embalagem é o fato de ela ser vazada em seu centro, algo que chamou a atenção de todo o júri por seu design inovador e ousado. Além do prêmio de R$3 mil, Pedro terá ainda a oportunidade de ir à França concorrer com os vencedores dos concursos realizados em outros países.

Na categoria Voto Popular, o vencedor foi Lucas Pereira Lima, do Centro Universitário Belas Artes. Sua garrafa de Hurricane traz um design arrojado, dando ao observador a impressão de que a embalagem foi torcida, como se estivesse no centro de um furacão antes do vidro ter se solidificado. Lucas, assim como os vencedores nas demais categorias, ganhou o prêmio de R$ 500.

Quem avaliou os trabalhos apresentados não escondeu a satisfação com o que viu. Arnaldo Comin, especialista e degustador de azeites, classificou as soluções como “muito interessantes”, sobretudo diante do que há hoje no mercado nacional. “A garrafa vencedora é surpreendente”, afirma, referindo-se à embalagem Oliva.

Darci Dani, Diretor Executivo da AGAVI (Associação Gaúcha de Vinicultores) lembrou que muitos dos trabalhos observados poderiam perfeitamente ser assimilados em seu segmento, por serem capazes de “estimular a compra por parte do consumidor”. O ponto de vista comercial chamou a atenção também de Carlo Lapoli, da Associação das Micro Cervejarias Artesanais de Santa Catarina (ACASC). “Vi muita inovação na maneira de usar a embalagem de vidro. Isso reflete uma tendência de usar as garrafas para valorizar os produtos”, diz. Lapoli acrescenta que a embalagem é um componente decisivo na primeira compra do cliente, sendo responsável por 30% ou 40% pela decisão, segundo suas estimativas.

“Ficamos orgulhosos de ver tantos estudantes e de tantos lugares do Brasil com interesse em trabalhar com o vidro. Acredito que deve ter sido bem difícil para o júri, diante de tantos projetos bem elaborados”, comemora Catarina Peres, Supervisora de Marketing da Verallia. Ela celebra ainda o fato do concurso ter atingido seu objetivo de valorizar a criatividade, a inovação e a autenticidade, além de enaltecer a beleza e a funcionalidade da utilização do vidro em garrafas e potes. “Estamos certos de que esse tipo de evento ajuda a estimular os jovens a criar um produto utilizando o vidro como matéria-prima, fazendo pleno uso das inúmeras possibilidades de design do material que, além de lindo, nobre e inerte, é o único 100% reciclável infinitamente”.

A cerimônia de avaliação do concurso internacional ocorrerá no próximo dia 20 de novembro, em Paris (França), cidade-sede da Verallia.

 

Confira a lista dos vencedores em todas as categorias:

Principal: Pedro Paulo de Carvalho

Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)

Voto Popular: Lucas Pereira Lima

Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Azeite: Paulo Guilherme Simão Kick e Letícia Alcará da Silva

Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)

Bebida Não Alcoólica: Henrique Viero, Bianca Camilo Marchesan e Lara Isadora Rodrigues

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Cerveja: Priscila Silva Geraldo

Universidade Presbiteriana Manckenzie

Potes: Hermano Monteiro de Castro Silva Costa

Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Vinho: Larissa Nóbrega e Silva

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

As categorias “Destilados” e “Espumantes e cidras” não tiveram o número mínimo de inscritos e foram canceladas conforme cláusula do regulamento. Contudo, os trabalhos dessas categorias concorreram normalmente na categoria principal e no voto popular.

Fonte: EVCOM