14 de junho de 2018

Só um bom produto e uma boa embalagem pouco fazem pela empresa, porém podem ser a base para um posicionamento diferenciado e levar à valorização de toda a cadeia envolvida. O Equador está investindo na cadeia de produção de chocolates, desde a plantação do cacau, passando por análises das melhores frutas, processos etc. Este investimento resultou em produtos ganhadores de prêmios internacionais. Um reconhecimento que também aumentou o investimento na escolha de embalagens mais sofisticadas, que realimentam a força das marcas e assim por diante, num círculo virtuoso. Tomemos três exemplos recentes. A marca Caoni estampa no cartucho uma máscara mortuária de ancestrais equatorianos, destacando o nome do país e, em hot stamping, o “100% Cacao Arriba”. O cartucho de papelcartão é impresso frente e verso e a embalagem primária (flow pack) é bem lacrada e tem a marca estampada em dourado.

O Pacari também faz uma alusão aos ancestrais pré-colombianos como elemento gráfico, e uma assinatura importante: Chocolate Orgânico premium dá árvores para a barra. O produto recebeu o prêmio Chocolates Awards Gold Mundial, e usa menta dos Andes para “temperar” o produto. Destaca ainda a denominação Parve (Kosher) ou sem leite e derivados. A embalagem primária (flow pack) é metalizada e traz um cacau estilizado, lindíssima! O Hoja Verde (folha verde) conquistou o prêmio Bronze no mesmo concurso, além de outro prêmio da Academia do Chocolate. Também é orgânico e Koscher, aumentando seu valor no mercado. Todas as marcas de chocolates respeitam a rotulagem de alimentos ao informar através de cores se os teores de açúcar, sal e gordura estão acima, abaixo ou em níveis normais. Além de bom produto e boas embalagens, estas e outras empresas têm investido em campanhas de marketing internacional, visando aumentar internamente o prestígio e no exterior.

Embalagem aqui foi um dos itens, mas prova que Embalagem melhor. Mundo Melhor!